terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Cura interior?

 
“Há muitos anos, cheguei à conclusão de que as duas causas principais da maioria dos problemas emocionais entre os cristãos evangélicos são estas: 1. O fracasso em entender, receber e viver a graça e o perdão incondicionais de Deus; 2. E o fracasso de distribuir esse amor, perdão e graça incondicionais aos outros...” David Seamands (1922-2006)
 
Abrir o coração para a experiência da cura interior é algo maravilhoso. Existe, ao menos, uma maneira correta e outra errada de se viver isso.
 
Uma maneira errada é aquela que, mesmo trazendo um aparente alívio imediato, acontece provocada por regressão ou outro recurso mental para que as pessoas revivam experiências vividas no útero, na infância e na adolescência. Com isso, uma catarse é provocada. Porém, a superficialidade impera contrapondo a vontade do Deus que quer nos conduzir por sendas profundas com o intuito de tratar dos problemas em suas raízes.
 
Já a maneira correta, à luz das Escrituras, é avaliar o interior, conscientizar-se dos fatos antigos que marcaram nosso jeito de ser e crer que pela transformação feita por Cristo em nosso coração eles não têm mais poderes sobre nós. Neste processo, sempre acompanhado de reflexão bíblica e oração, Deus nos ajuda de tal maneira que nossas memórias não nos assombram mais, nem nos condicionam, nem nos fazem repetir erros.
 
Ao vivenciar a cura interior, nós identificamos as motivações para boa parte das nossas raivas, rancores, ódios, amarguras, preconceitos, medos, comportamentos ruins, sentimentos negativos e péssimas lembranças. Perdoamos aqueles/as que nos fizeram mal, pedimos perdão pelos erros cometidos, assumimos a Graça de Deus deixando de nos culpar e martirizar pelos erros, etc. Assim a vida segue e nós caminhamos debaixo da paz do Senhor.
 
A cura interior pode ser experimentada por nós em nossos momentos a sós com o Senhor, nos momentos de culto comunitário, contudo o mais importante é retirarmos um tempo para estudar a Palavra e refletir sobre os nossos sentimentos e práticas, apresentarmos nossas constatações ao Senhor e clamarmos pela sua intervenção em nossa vida.
 
Vale lembrar também que Deus usa terapeutas e psicólogos/as, para nos auxiliarem. E se nós acrescermos à nossa espiritualidade cristã às contribuições destes/as profissionais o benefício será evidente.
 
Por fim, a cura passa pela oração, reflexão e tomada de atitude. Prossigamos, portanto, em nossa jornada nesta perspectiva.
 
Graça, paz e bem!

Um comentário:

Elberto Mello disse...

Qualquer pessoa que fizer a solene escolha de conhecer muito mais o Senhor Jesus todos os dias e VIVENCIAR seus ensinamentos em primeiro lugar estará dando os passos mais acertados do mundo para RESOLVER qualquer tipo de problema. Principalmente se isso for feito sem religiosidades nem condutas tipicamente religiosas que impedem o fluir da Graça e do Poder de Deus em Jesus para nós, mas com constantes: oração em secreto, leitura, reflexão e estudo da Palavra de Deus na Bíblia, relacionamento vivo e "conversável" com o Senhor Deus Pai e o Senhor Jesus, Filho... e até uma ou outra conversa com profissionais de saúde capazes e capacitados, se houver necessidade ou querer. Viver de verdade o Evangelho, ativando o Poder de Deus que nele há através do exercício de Fé fará com que o Senhor Jesus deixe de ser o grande DESCONHECIDO que é para a imensa maioria dos ditos "cristãos", incluindo nesse contexto a maioria dos líderes evangélicos religiosos. Eu estou no comecinho dos primeiros passos nesse processo. E olhe que já passei dos 60 anos faz tempo!